Fragmentados de Neal Shusterman


Olá pessoal! 

Um minuto de silêncio para aqueles que foram fragmentados. Para aqueles que se foram, mas que permanecem vivos em nossas corações. Não, espera! Ser fragmentado não é morrer, pelo menos é o que dizem.
Fragmentados é uma distopia diferente das que conheço e arrisco dizer que também é uma das melhores que já li. A história nos mostra diversos personagens, mas conhecemos principalmente três deles que são: Connor, Risa e Lev. 

A escrita é em terceira pessoa, porém é leve, agradável e adequada a cada capítulo destinado a cada personagem de maneira personalizada. A história se passa em um futuro pós guerra como toda distopia que conheço e com a guerra foi necessário colocar ordem no caos formado e para acabar com a guerra foi criada A Lei da Vida. 

A Lei da Vida foi criada com o intuito de acabar com os abortos e gerar transplantes de órgãos e tudo mais que possa ser utilizado em um ser humano. Os pais, o governo ou qualquer que seja o tutor pode assinar uma ordem de fragmentação para adolescentes que possuem idade entre 13 e 18 anos, sendo esses adolescentes problemáticos ou dízimos. Os problemáticos não precisam de explicação, mas creio que você não entenda o que quero dizer com adolescentes dízimos, que são aqueles que fazem parte de uma religião ao qual nem sempre é a mesma de outro dízimo mas que conclui da mesma forma como um pagamento de 10% da "renda" familiar. Connor, Risa e Lev são fragmentários, cada um com uma história diferente e com destinos que se cruzam no decorrer do livro.

Gostei de Connor desde o momento em que o conheci, seria o tipo de pessoa que eu provavelmente faria amizade com facilidade pela sua índole boa apesar do seu temperamento forte. Risa no início me pareceu muito egoísta em diversos aspectos, como se estivesse apenas ali presente apenas de massa corpórea porque seus planos e mente estavam bem longe maquinando a próxima cartada, porém ao longo da história ela se torna uma garota surpreendente. Lev, posso dizer que ele é o que menos simpatizei desde o início, tive dó dele por duas ou três linhas, mas no decorrer da leitura só cresceu a indiferença.

Junto com a lei da vida foi criada a Lei da Cegonha. Essa lei consiste em se você não quer um recém nascido você o deixa na porta de alguém e quando alguém o encontrar deixa de ser problema seu e passa a ser problema de quem o encontrou. A Lei diz que quem o encontra deve criar ou entregar para uma Casa Estatal (abrigo/casa de adoção), alguns entregam outros criam como filhos e outros fazem coisas horríveis. 
Este foi um livro lído muito rápido, estava entre terminar logo pois queria saber como acabaria ou enrolar cada vez mais para prolongar a experiência, por fim optei por ler logo de uma vez e acabar com a curiosidade e no final das contas minha conclusão é de que este livro é INCRÍVEL!

O desfecho é bom, a impressão que tive que é que o autor estava correndo uma maratona e quando percebeu que estava chegando na linha de chegada reduziu o ritmo, tomou fôlego e chegou ao final com estilo. Não como aqueles autores que quando percebe a linha de chegada aumenta o ritmo sai voando como se o fim fosse questão de vida ou morte, não, este autor soube aproveitar bem a vista no final dessa corrida, ele simplesmente não deixou pontas soltas ou qualquer dúvida sem esclarecimentos, porém deixou um gostinho de quero mais com o final o que é natural pois este livro é o primeiro de uma série. Ao todo são 4 livros, porém não se preocupe, este possui um bom final que você pode ler os demais ou simplesmente parar neste.

Espero que você leia este livro, porque é uma distopia espetacular. 
Coleção americana de Unwind (Fragmentados)

Assista ao book-trailer desse livro INCRÍVEL!





| Editora: Novo Conceito 
| Autor: Neal Shusterman 
| Páginas: 320
| ISBN: 9788581635194

Share this:

JOIN CONVERSATION

1 comentários:

  1. Adorei sua resenha.
    Finalizei domingo esse livro e realmente, foi uma das melhores distopias. Completamente diferente de tudo que já li. Comecei "desintegrados" segunda e estou curtindo bastante também a leitura.

    Beijos,
    * Blog PS Amo Leitura *

    ResponderExcluir