Os Fantasmas se Divertem - Filme



Olá meus amigos de Praxe, para comemorar o “Dia das Bruxas” venho aqui com uma resenha que tem tudo a ver com o tema, mas, antes deixe eu falar um pouco sobre um acontecimento sobre esse filme. Esta semana, vi uma notícia que me deixou bastante empolgado! Um clássico dos anos 80 vai ganhar uma sequência. Pois é, senhoras e senhores, a continuação de “Os Fantasmas se Divertem” (“Betleejuice”, no original) já foi confirmada! E o melhor: é possível que seja dirigida novamente por Tim Burton! Então, resolvi falar um pouquinho do filme, já que fez parte da infância de muita gente.

O roteiro gira em torno de um casal, Barbara Maitland(Geena Davis) e Adam Maitland(Alec Baldwin), que depois de sofrerem um acidente de carro, viraram fantasmas e ficaram presos na casa de campo deles na Nova Inglaterra até conseguirem descansar em paz de vez. Eles viviam tranquilamente no lugar até que outro casal, Charles Deetz (Jeffrey Jones) e Delia Deetz (Catherine O’ Hara), e sua excêntrica filha Lydia (Winona Ryder), compram a casa e perturbam a paz dos fantasmas. Incomodados, os Maitland se esforçam para espantar os novos moradores, mas suas tentativas são fracassadas, pois eles são completamente inofensivos como fantasmas e apenas Lydia consegue vê-los. Assim, o casal decide contratar os serviços do bio-exorcista Beetlejuice(Michael Keaton), uma figura completamente louca, para tentar assustar a nova família. Segundo filme de Tim Burton, o longa foi produzido com baixo orçamento, mas arrecadou muito mais do que o esperado e ainda rendeu à Burton a direção de “Batman”, logo em seguida. Além disso, o diretor quis homenagear os filmes B que ele assistia na infância e utilizou técnicas e efeitos visuais, que à primeira vista podem até aparecer meio toscos, mas que deram um ar cômico e original ao filme e foram propositais do início ao fim. E isso pode ser observado desde a maquiagem e o figurino, até os recursos como stop-motion e o uso de marionetes.

E os efeitos foram tão elogiados que até faturaram um Oscar na categoria de melhor maquiagem e um Saturn (prêmio anual da Academia de filmes de Ficção Científica, Fantasia e Horror) nas categorias de maquiagem e de filme de horror. Além dos efeitos, o longa se destaca pelas críticas sutis e pelo humor negro que utiliza. Ao colocar uma família tradicional norte-americana convivendo com uma família moderna, ele critica alguns valores das famílias atuais e da contemporaneidade. E o mais interessante em Tim Burton é que, apesar de toda bizarrice, de todo clima sombrio e de sua estranheza peculiar, ele sempre tenta passar uma mensagem bonita. Quanto ao elenco, óbvio que o grande destaque está em Michael Keaton, ele surpreendeu tanto em sua atuação em um papel tão excêntrico que Burton também o escalou para interpretar a sua versão de Batman, em que, mais uma vez, ele fez um ótimo trabalho. Winona Ryder, bastante jovem, também está muito bem na pele de Lydia e seu rosto meigo contrastou com o estilo gótico da personagem, que também mostra ser uma pessoa doce, apesar da pose de malvadona. Logo depois, a atriz também foi chamada pelo diretor para fazer “Edward Mãos de Tesoura”.

E os outros atores também caíram nas graças de Burton. Catherine O’Hara, que interpreta Delia, posteriormente dublou Sally, a namorada de Jack, em “O Estranho Mundo de Jack”. Já Jeffrey Jones, que dá vida a Charles, participou também de “Ed Wood” e “A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça“.
Outro ponto que merece ser mencionado é a trilha sonora. Composta pelo famoso Danny Elfman, também companheiro fiel de Burton, combina perfeitamente com o clima cômico-sombrio do filme. Além das músicas de Elfman, também há músicas como “Jump in the Line” do cantor americano Harry Belafonte, um grande sucesso dos anos 60. A música é muito empolgante e rendeu
uma das cenas mais legais e engraçadas do longa. O filme fez tanto sucesso que depois inspirou o desenho de mesmo nome. Quem viveu a infância dos anos 90 sabe que era um clássico do Cartoon Network! Uma pena ter acabado. Mesmo assim, que venha o próximo! Tenho certeza que se depender de Tim Burton e dos recursos modernos de nosso cinema atual tem tudo para dar certo, e o longa está previsto para 2017 sem uma data definitiva. Espero que tenham gostado e até a próxima.
Informações
Ficha Técnica
Título Original:
Beetlejuice
Duração:92 Minutos
Gênero:Comédia / Suspense
País/Ano:EUA/1988
Direção:Tim Burton
Roteiro:Warren Skaaren, Michael McDowell, Larry Wilson
Fotografia:Thomas E. Ackerman
Trilha Sonora:Danny Elfman
Elenco:Michael Keaton (Beetlejuice), Alec Baldwin (Adam Maitland), Geena Davis (Barbara Maitland), Annie McEnroe (Jane Butterfield), Catherine O’Hara (Delia Deetz), Jeffrey Jones (Charles Deetz), Winona Ryder (Lydia Deetz), Sylvia Sidney (Juno), Glenn Shadix (Otho).

Trailer

Share this:

JOIN CONVERSATION

    Blogger Comment

0 comentários:

Postar um comentário