Conversando com o escritor - Entrevista #4




Existe sempre aquela curiosidade de saber mais sobre como um escritor tem suas idéias, ou como o autor consegue se organizar entre ler e escrever. Hoje apresentamos o autor F.P. Trotta em uma entrevista.
Intergaláctica: Uma conspiração para controlar o rumo da mais importante expedição espacial da história da humanidade. 3 de Maio de 2031 - No dia de lançamento da aguardada expedição da NASA para explorar a lua de Júpiter, uma das candidatas para habitar vida extraterrestre, a psiquiatra Amanda Collins acorda de um coma após meses batalhando contra uma meningite aguda.Junto com seus pacientes Stryker, Ripley e sua amiga Lina, eles descobrem que fazem parte de um crescente quebra-cabeça envolvendo uma corporação geopolítica underground chamada A Firma, que planeja sabotar a missão, usufruindo de uma nova tecnologia para saquear a nave e destiná-la para um planeta habitável localizado dezessete anos luz da Terra. O quarteto então inicia uma operação para descobrir a verdade por trás da conspiração, mergulhando de cabeça na maior expedição planetária da história da humanidade. 
Próximo lançamento – Interdimensional: Depois de escaparem da Ascensão, Amanda, Lina, Stryker, Ripley e Kai são fugitivos procurados pela galáxia, morando escondidos na fortaleza invisível da Belladonna  e a descoberta de como planetas do Tipo 13 ascendem de nível no cosmos tem consequências imediatas entre as relações da nave.
O grupo relutantemente decide então retornar à Terra o mais rápido possível em uma tentativa de prevenir o planeta contra uma iminente vingança de Nitro contra Amanda, mas são surpreendidos ao encontrar apenas destroços aonde nosso planeta existia e serem jogados para fora da Belladonna no vácuo do espaço por um grupo desconhecido, que saqueia a nave e os abandona pra morrer.
Protegidos apenas pelos seus trajes espaciais – com uma quantidade limitada de oxigênio racionando cada respiro  o grupo se encontra flutuando na escuridão, consumidos pelo nada e sem uma hipótese ou chance restante nas mangas  quando do meio do infinito de estrelas uma de suas luzes ganha força, como se um planeta estivesse rasgando o céu voando em sua direção.
No entanto, a luz que avançava como um tiro rumo a eles não pertencia a um planeta, e sim à cauda reluzente de uma libélula monstruosa – do tamanho de uma cidade – voando pelo Cosmos não para se alimentar de sua proteína (por mais faminta que estivesse) – mas pelas ordens de seu capitão.
Biografia

Franco Poltronieri Trotta nasceu em São Paulo, no início dos anos 90, mas logo se mudou para o Rio de Janeiro. Cursou faculdade de Administração de Empresas enquanto produzia eventos noturnos em inúmeras casas cariocas, estabelecendo festas semanais em clubes cariocas conhecidos, como a extinta Nuth Lagoa, o TV Bar e a The Week Rio. Em 2011, se juntou ao Rock In Rio e assinou a produção da àrea VIP, sendo responsável pelas vendas corporativas junto das promoters Alicinha Cavalcanti e Carol Sampaio. Em 2012, produziu o festival espanhol Sónar no Arena Anhembi em São Paulo e em 2013 retornou para mais uma edição do Rock In Rio.
Alfabetizado inicialmente em inglês, Franco viveu em Detroit na adolescência, onde se formou no Proficiency in English, dos exames Crambridge ESOL. Intergaláctica é seu primeiro livro publicado no Brasil. Escrito originalmente em inglês e chamado de Intergalactic, o livro ganhou sua versão em português escrita pelo próprio autor.

Agora que você já conheceu um pouco sobre o Trotta e seus livros, vamos para a entrevista exclusiva para a Praxe Literária

1.      Qual foi sua primeira publicação? Conte um pouco para nós sobre essa experiência de publicar um livro.
Intergaláctica mesmo - embora seja o quarto livro que completo, foi o primeiro que sabia que podia ser levado pra frente. Por um contato mútuo conheci a Livros Ilimitados. 

2.      Quando e por que decidiu virar escrito? Ter essa vontade de colocar a sua história no papel para que outros pudessem ler.
Desde pequeno na formatura do C.A. eu falava que ia ser escritor quando crescesse hahaha Eu sempre tive o hobby, acho que por precisar escapar da realidade. Tive um tempo distante da escrita fazendo eventos no RJ e em seguida retornei.

3.      Conte um pouquinho para nós suas inspirações e motivações para escrever seus livros.
Intergaláctica, e a série em específico, partem de uma "fonte" de idéias que é basicamente o que me mantém levantando da cama todos os dias - de uns anos pra cá criei uma leve obsessão com o gênero de sci-fi, quase como se eu não tivesse "entendido" o gênero por toda minha infância e adolescência. Não sei se hoje em dia eu conseguiria escrever outro gênero.

4.      Como está a recepção de Intergaláctica pelo público?
Essa é a melhor parte do trabalho! Eu não consigo acreditar quando leio resenhas tão positivas. Podemos dizer seguramente que o livro foi muito bem aceito. Isso criou pressão pros próximos, porém! Hahahah

5.      Você tem algum personagem favorito de seus livros? Por quê?
Amanda, sem dúvidas. Não é difícil escrevê-la, somos parecidos demais. O que torna ainda mais hilário quando algumas pessoas não vão com a cara dela! 

6.      Quais as maiores dificuldades que você encontrou na hora de escrever seus livros?
Quebrar a história - eu não vou começar a escrever o livro se eu não souber exatamente o que vai acontecer em cada linha dele. Gosto de pensar nos meus livros quase como filmes muito longos: mas, no momento que for dado o "play", o final já tem de estar decidido. Então eu primeiro passo anos bolando a história em outlines/tópicos - o que permite a criação de reviravoltas - e só quando está tudo polido à perfeição é que desce pro papel mesmo. Essa é a maior dificuldade - leva tempo pra elaborar twists que façam com que a maioria dos leitores "caiam". 

7.      Quais seus autores e leituras preferidas?
Quase escrevi em caps lock de tanto que é meu amor por ele - Philip Pullman e a trilogia His Dark Materials mudaram o jeito que eu via literatura, quando adolescente. Os universos criados por ele são fantásticos e imersivos - disparado minha maior inspiração literária.

8.      O que você sente ao ver seu livro publicado? 
No coquetel de lançamento ano passado eu não senti nada porque estava nervoso demais e tomei dois whiskys pra começar a assinar - hahahaha. Mas é uma sensação gratificante. Comigo demora um tempo pra ficha cair - acho que só hoje em dia, pouco mais de um ano da publicação e quando a gente vê tantos resultados em forma de parcerias, resenhas, vídeos, mensagens - aí, sim, a ficha cai.

9.      Ficamos sabendo que você recém terminou de escrever a Trilogia Intergaláctica, qual a sensação disso?
Aí sim houve uma sensação! Quando terminei de escrever o terceiro no começo da semana minha mente estava dormente - passei umas doze horas seguidas no último dia (eu realmente queria terminar e ver a sensação) mas a idéia de poder limpar o hardware mental e "esquecer" tudo que eu tinha de lembrar, porque já estava no papel - essa é a melhooor sensação! 



10.   O que o público pode esperar para os próximos livros e a pergunta que não quer calar, quando serão lançados?
Interdimensional vai sair em Janeiro de 2017, bem no comecinho mesmo. A editora só atrasou porque o maior negativo de Intergaláctica foi quanto a revisão - eles realmente pecaram e isso não vai acontecer nos futuros volumes. Pro livro sair impecável, demora um pouquinho mais - ainda mais partindo do ponto que eu sempre os escrevo primeiro em inglês. 

11.   Por fim, quais seus futuros planos como escritor agora que terminou de escrever a trilogia?
...Se eu te falar que planejo um quarto livro você me mata? Uma parte da história ficou "disponível" pra uma continuação. É um tema não relacionado aos três primeiros - não é nem o mesmo vilão, mas é uma opção de jornada pros personagens. E eu sei que terei de ir lá antes de encerrar de vez. 

Onde comprar Intergaláctica:

Siga o F.P Trotta nas redes sociais:




Share this:

JOIN CONVERSATION

5 comentários:

  1. Gostei bastante da entrevista e de conhecer o autor.
    Fico feliz por ele terminar a trilogia, já li o primeiro livro e estou ansioso para comprar o segundo. Abraços

    ResponderExcluir
  2. Adorei a entrevista!
    É muito bom poder ter essa noção de como os autores criam suas ideias, colocam elas em prática, os sentimentos que envolvem. Sempre é uma grande curiosidade para nós leitores e fãs.
    Seus livros são muito bons, gosto bastante e é muito legal ter essa outra visão sobre os livros :)

    ResponderExcluir
  3. Gostei da sexta pergunta. Ele tem um jeito parecido comigo de escrever, eu entendo é meio dificil bolar um livro inteiro na mente e depois finalmente passar pro papel. É assim que tento fazer meus textos. No final ele disse que talvez faria um quarto livro. Isso não dá muito certo, fugir da história ou sei lá. Existem muitos exemplos de quarto livro que acredito que teria sido melhor não serem feitos.

    ResponderExcluir
  4. QUARTO LIVRO?????
    Gente acho que vou falir com essa trilogia hahaha
    Adorei saber um pouquinho mais do Trotta e dei muita risada com isso dos Whiskys, que doidera!

    ResponderExcluir
  5. Olá.
    Não conhecia os livros e nem o autor. Mas fiquei interessada na trilogia.
    Gostei muito da entrevista! Desejo sucesso ao autor. E espero ter a oportunidade de conferir sua escrita, em breve.
    Abraços.

    ResponderExcluir